Epifania

Passou

Jurava que, assim que abrisse o editor de texto, sairia alguma boa epifania depois de todos esses dias, depois de rios de lágrimas, depois da pausa, depois da calma, da paciência, da alma, depois de tanta insistência, de ansiedade e confiança que não se concretizaram. Devo ter gastado tudo o que tinha aqui. Todas as minhas rimas preciosas, raras, ricas e pobres se foram por quem não apreciou minha poesia. Só restaram versos livres. Ainda bem!

Acho que passou.

 

Aproveito o post para ressaltar (mais uma vez, como já fiz outras vezes aqui no blog) como o Arnaldo Antunes é foda e no fim das contas sempre acaba compondo minha trilha sonora. Arnaldo, você é incrível <3

E Todos os Caetanos do Mundo são demais! Sem mais!

Bem feito – Poema

É engraçado como a gente é besta
Chega a dar raiva de como a gente se engana
Como a gente jura que não acontecerá de novo
E de noite se pega chorando na cama

Coração trapaceiro
Não era sua vez agora
Quis se apressar, levou um tombo
Bem feito, levou um fora.

Bilbo Querido – Poema

Boa tarde!
Oh, God… Fiquei muito tempo sem postar nada.
Resolvi dar uma olhada em meus textos perdidos aqui nos meus arquivos e encontrei um poema que escrevi para o meu gatinho Bilbo, quando ele era pequenininho. (mais…)